loader image
Pesquisar

Juros de empréstimo: Saiba aqui como fazer os cálculos para não cair em furada!

Aprenda agora mesmo a fazer o cálculo dos juros, a partir do nosso texto.

Os juros simples e compostos são os dois principais tipos de juros que as instituições bancárias usam. Cada tipo possui sua própria abordagem de cálculo, influenciando consideravelmente o valor final da dívida. Os juros simples são uma taxa fixa aplicada ao valor do empréstimo inicial.

Os juros compostos, por outro lado, são calculados com base no saldo pendente em cada período. Com o passar do tempo, os juros compostos podem representar uma parte substancial do montante total devido. Portanto, ao escolher um empréstimo, é crucial considerar o tipo de juros envolvido.

Processo de cálculo de juros simples

Os juros simples são mais diretos e fáceis de calcular: basta multiplicar o valor do empréstimo pela taxa de juros estabelecida pelo banco. Por exemplo, se você pegou um empréstimo de R$ 1.000 com prazo de pagamento de um ano e taxa de 10% ao ano, o cálculo que você faria seria o seguinte:

  • J = C × i × T: Onde J é o valor total dos juros, C representa o capital (valor do empréstimo), i é a taxa de juros e T é o tempo do contrato. No caso mencionado, o capital é de 1000, a taxa de juros é 10% e o tempo é de 1 (ano), resultando em 100 reais de juros.

Portanto, o montante total da dívida seria de R$ 1.100, que é a soma do valor do empréstimo e o valor dos juros, ao final do prazo.

Cálculo de juros compostos

No caso dos juros compostos, o valor aumenta a cada parcela. Isso implica que, ao final de cada período, os juros são incorporados ao saldo pendente, influenciando os juros futuros. Dessa forma, a fórmula para calcular é a seguinte:

  • iM = 12(1 + iA) – 1. Onde iM representa a taxa de juros mensal e iA é a taxa anual. Por exemplo, se você contraiu um empréstimo de R$ 1.000 com uma taxa de juros anual de 10%, usando a fórmula para converter essa taxa em juros mensais, descobriria que você estará pagando cerca de 12,2% de juros a cada mês.

Isso implica que, ao final de um mês, o montante a ser pago será de R$ 1.122.

A importância de calcular a taxa de juros para evitar armadilhas

Certamente, calcular a taxa de juros antes de contrair um empréstimo ou financiamento é crucial. Muitas vezes, a análise pode ser superficial, considerando apenas o valor de cada parcela e sua adequação ao orçamento. No entanto, essa abordagem simplista pode resultar em consequências desastrosas.

Ignorar a multiplicação do número total de parcelas pelo valor individual de cada prestação pode levar a um número elevado de parcelas e a um montante destinado ao pagamento de juros que pode impactar significativamente a saúde financeira do mutuário.

Vale destacar que o lucro das principais instituições financeiras continua batendo recordes ano após ano, de acordo com informações divulgadas pela mídia. Esses lucros exorbitantes apenas cessarão quando os consumidores compreenderem o cálculo da taxa de juros de empréstimos e procurarem revisões para identificar cobranças abusivas ou cláusulas ilegais nos contratos.

Uso da média de juros como indicador

Uma indicação significativa de possíveis cobranças abusivas na taxa de juros de empréstimos é quando o valor da taxa ultrapassa a média do mercado. O Banco Central do Brasil (Bacen) é o órgão regulador financeiro responsável por fiscalizar os bancos e divulgar mensalmente a média de juros de todas as instituições financeiras.

Ao comparar essa média com a taxa obtida por meio do cálculo de juros de empréstimos, é possível detectar possíveis abusos. Embora não haja um limite imposto pela legislação em relação à cobrança de taxas de juros, o Código Civil estabelece que o enriquecimento injusto à custa de outra pessoa é ilegal.

Portanto, o lucro exorbitante acumulado pelos credores é um reflexo direto dessa prática condenável de cobrança de juros e taxas excessivas, que excedem a média do mercado. Portanto, é crucial identificar a taxa de juros aplicada no empréstimo e compará-la com a média estabelecida pelo Bacen.

Se a taxa de juros for consideravelmente superior à média, o consumidor pode estar sujeito a cobranças abusivas. Em suma, juros abusivos ocorrem quando há um excesso de juros em contratos, elevando excessivamente os custos. Quando isso acontece, o consumidor pode buscar a revisão de juros abusivos e o recálculo de seu contrato com a taxa correta.

Gostou da notícia? Temos esta e outra mais em nosso site. Oferecemos uma variedade de informações, desde notícias financeiras até outros tópicos, constantemente atualizadas. Não deixe passar essa oportunidade de se manter informado. Acesse nosso site agora mesmo e fique por dentro do que acontece.